2.6 Titulação por grande área e área do conhecimento

Houve, como visto anteriormente, uma grande expansão do número de títulos concedidos por programas de mestrado (465,0%) e de doutorado (624,6%) no Brasil entre 1996 e 2021. Essa expansão foi, no entanto, composta por taxas de crescimento da titulação muito diferenciadas pelas diversas grandes áreas do conhecimento.

No caso dos títulos de mestrado, as taxas de crescimento das grandes áreas Ciências biológicas (187,8%), Engenharias (242,0%), Ciências agrárias (259,8%) e Ciências exatas e da terra (268,3%) destacaram-se como as menores do período analisado. Com isso, suas participações nos totais de títulos caíram significativamente e passaram a situar-se, no final do período, entre as áreas que concediam menor número de títulos de mestrado. As Ciências biológicas eram responsáveis por 8,9% dos títulos em 1996 e passaram a representar apenas 4,5% em 2021. As Engenharias passaram de 15,4% para 9,3%. As Ciências agrárias passaram de 12,4% para 7,9% e as Ciências exatas e da terra saíram de 11,7%, em 1996, para 7,6%, em 2021. Por outro lado, as Ciências humanas, que detinham a maior participação nos títulos de mestrado em 1996 (19,6%), conseguiram permanecer na posição de maior área entre os títulos de mestrado em 2021 (16,9%). As Ciências da saúde e as Ciências sociais aplicadas cresceram mais do que média de todas as áreas e atingiram algumas das maiores participações no final do período, quando foram responsáveis respectivamente por 14,6% e 16,3% do total de títulos de mestrado. A grande área de Linguística, letras e artes apresentou crescimento similar ao da média das áreas e manteve sua participação em valor um pouco acima de 6%. A grande área Multidisciplinar, no entanto, apresentou crescimento extraordinário, partindo da mais baixa participação em 1996 (1,3%) para a segunda maior participação (16,6%) em 2021.

No caso dos títulos de doutorado, as Ciências exatas e da terra, as Ciências biológicas e as Engenharias apresentaram taxas de crescimento entre 1996 e 2021 muito inferiores à média e, com isso tiveram redução significativa de participação no total dos títulos de doutorado. As Ciências exatas e da terra passaram de 16,2% do total dos títulos de doutorado, em 1996, para 8,6%, em 2021. As participações das Ciências biológicas diminuíram de 13,8% para 7,8%. As Engenharias passaram de 13,8% para 9,3%. As Ciências da saúde apresentaram crescimento um pouco menor do que a média de todas as áreas e, com isso, perdeu pouca participação, passando de 19,3%, em 1996, para 18,1%, em 2021. Curiosamente, a grande área das Ciências agrárias, que apresentou crescimento muito menor do que a média e perdeu muita participação no caso dos títulos de mestrado, cresceu mais que a média no caso dos títulos de doutorado e teve sua participação, que era de 10,6%, em 1996, ligeiramente elevada para 11,4%, em 2021. As Ciências humanas e a grande área de Linguística, letras e artes conseguiram expandir suas participações nos títulos de doutorado de respectivamente de 15,0% para 17,1% e de 5,0% para 6,5%. O crescimento das Ciências sociais aplicadas foi excepcional, passando de 6,4%, em 1996, para 11,2% em 2021.

A grande área do conhecimento Multidisciplinar apresentou crescimento extraordinário na proporção de títulos de mestrado e de doutorado concedidos no Brasil entre 1996 e 2021. As grandes áreas das Ciências biológicas, das Engenharias e das Ciências exatas e da terra estão entre as que mais perderam participação relativa no número de títulos de mestrado e de doutorado concedidos entre 1996 e 2021. Depois da grande área Multidisciplinar, a das Ciências sociais aplicadas foi que mais ganhou participação.

Proporção de títulos por grande área do conhecimento, 1996-2021 (%)

O gráfico 2.6.2 permite comparar a distribuição proporcional dos títulos de mestrado e de doutorado concedidos no Brasil por grandes áreas do conhecimento com as de 23 outros países no ano de 2021. Para fazer tal comparação, os dados brasileiros, originalmente classificados pelas áreas do conhecimento da Capes, precisaram ser convertidos para a classificação internacional ISCED-F 2013, que sistematiza os dados dos demais países.16

A grande área do conhecimento Saúde e bem-estar aparece em primeiro lugar na escala das grandes áreas com maiores proporções de títulos de mestrado concedidos no Brasil (17,4%) e nos EUA (26,7%) e em segundo lugar na média dos 24 países representados no gráfico (16,5%). A grande área Ciências naturais, matemática e estatística é a que aparece em segundo lugar na proporção de títulos de mestrado concedidos no Brasil (13,6%), em oitavo lugar nos EUA (4,9%) e em sétimo lugar na média dos países (6,3%). A grande área Engenharia, indústria e construção aparece em terceiro lugar no Brasil (12,9%) e também terceiro na média dos países (12,7%), enquanto nos EUA (6,1%) essa grande área aparece em quinto lugar. A grande área Ciências sociais, jornalismo e informação concentrou 12,7% dos títulos de mestrado concedidos no Brasil no ano de 2021, proporção superior à da média dos países (10,9%) e muito superior à dos EUA (7,3%). A proporção de títulos de mestrado concedidos para a grande área Educação no Brasil (11,7%) foi similar à da média dos países (12,2%) e inferior à dos EUA (15,6%). A proporção de títulos de mestrado concedidos para a grande área Agricultura, silvicultura, pesca e veterinária no Brasil (7,8%) foi muito superior à dos concedidos nos EUA (0,7%) e na média dos países (1,7%). Na verdade, o Brasil é o país com a maior concentração de títulos de mestrado nessa grande área. No caso da grande área Tecnologias da informação e comunicação (TIC), a proporção de títulos concedidos no Brasil (2,0%) foi muito menor do que a dos EUA (5,7%) e a da média dos países (3,7%).

No caso dos títulos de doutorado, as grandes áreas Saúde e bem-estar e a das Ciências naturais, matemática e estatística, ocuparam o primeiro e o segundo lugar entre as grandes áreas com maiores proporções de títulos concedidos no Brasil em 2021, assim como ocorreu no caso dos títulos de mestrado. A grande área do conhecimento Saúde e bem-estar concentrou 20,0% dos títulos de doutorado no Brasil, 18,8% e segunda posição na média dos países e 11,5% e quinta posição relativa nos EUA. A grande área Ciências naturais, matemática e estatística concentrou 17,8% dos títulos de doutorado concedidos no Brasil em 2021, 21,4% dos títulos na média dos países e 22,4% nos EUA. Nesses últimos dois países essa grande área era a primeira na escala das áreas que concentraram a maior proporção de títulos. A grande área Engenharia, indústria e construção ocupou a terceira posição no Brasil (13,0%), nos EUA (15,6%) e na média dos países (17,7%). A grande área Ciências sociais, jornalismo e informação concentrou 10,5% dos títulos de doutorado no Brasil, proporção similar à da média dos países (10,7%) e inferior à dos EUA (13,1%). Também no caso dos títulos de doutorado, o Brasil se destacou na grande área Agricultura, silvicultura, pesca e veterinária 10,5% dos títulos de doutorado concedidos no Brasil em 2021 eram dessa área, enquanto no caso da média dos países e dos EUA tal proporção foi respectivamente de apenas 3,1% e 1,4%. No caso da grande área Tecnologias da informação e comunicação (TIC), a proporção de títulos de doutorado concedidos no Brasil (1,6%) também foi muito menor do que a dos EUA (3,5%) e a da média dos países (2,6%).

A proporção de títulos de mestrado classificados na grande área Ciências naturais, matemática e estatística concedidos, no ano de 2021, no Brasil foi significativamente superior às dos títulos concedidos nos Estados Unidos e na média dos 24 países representados no gráfico. Tal relação se inverte no caso dos títulos de doutorado. Na grande área Ciências sociais, jornalismo e informação, a proporção de títulos de mestrado concedidos no Brasil é superior à dos Estados Unidos, mas é inferior no caso dos títulos de doutorado.

16 A tabela de conversão da classificação da Capes para a ISCED-F, elaborada pelo CGEE, pode ser consultada aqui.
Proporção de títulos por área do conhecimento no Brasil e em países selecionados, 2021 (%)